Comunidade Reunida Mosteiro do Salvador

 

As monjas do Mosteiro do Salvador seguem o caminho aberto a partir do século IV pelos pais e mães do deserto, primeiros a viverem a aventura da vida monástica, que ainda hoje continua. A busca incessante da face de Deus vivida em comunidade, na oração e no trabalho marcam o seu dia.
No final do século V, o jovem Bento de Núrsia abraçou este caminho, também seguido por sua irmã Santa Escolástica, escrevendo ele, anos mais tarde, a regra de vida que até hoje orienta a vida de nossos mosteiros.
“Vamos pois, constituir uma Escola do Serviço do Senhor. À medida em que se progride na vida monástica e na fé, o coração se dilata e corre-se no caminho dos preceitos de Deus, com inefável suavidade de amor! “ S. Bento – Regra Beneditina – Prólogo


Fundadora do Mosteiro do Salvador e primeira superiora.

1Madre Joana Calmon Villas Boas OSB, nasceu no dia 08 de janeiro de 1920 e partiu para a casa do Pai no dia 31 de dezembro de 2005. Fundadora do Mosteiro do Salvador e primeira superiora até o ano de 1995, foi uma presença criativa e de profunda experiência de Deus, continua a inspirar a comunidade.
Sentir com o mundo e oferecer a ele o Absoluto de Deus , foram as diretivas marcantes de seu ensinamento.

Madre Vera Lúcia Parreiras Horta OSB, primeira abadessa, sucedeu a Me. Joana, continua a desenvolver as linhas mestras recebidas. Junto à comunidade, procura escutar os apelos dos novos tempos e responder dentro do carisma da vida monástica contemplativa.
A comunidade monástica tem como ideal, viver do “trabalho das mãos”: “ Labora”

"Pois são verdadeiros monges se vivem do trabalho de suas mãos" - (RB 48,8)

As principais oficinas do Mosteiro do Salvador são:
Hospedaria, Atelier de Arte Sacra, Bordado Livre, Bricelet (Biscoito de receita suiça), Geléia Caseira, Atelier de Velas e Círios, Atelier de Incenso, Atelier de Cartões (Escrita Gótica) e Cds com Canto Gregoriano e outras peças litúrgicas.

Vamos pois, constituir uma Escola do Serviço do Senhor. À medida em que se progride na vida monástica e na fé, o coração se dilata e corre-se no caminho dos preceitos de Deus,com inefável suavidade de amor! " 

S. Bento – Regra Beneditina – Prólogo.